domingo, 25 de setembro de 2011

21

Agora sim, bateu um nada leve desespero.

Vinte e um dias pra viagem. Não, eu não deixei um monte de coisas pra fazer de última hora, tudo o que deveria ter sido resolvido, está sendo resolvido, essa será minha última semana no trabalho, eu já liberei meu cartão de crédito pra uso internacional, comprei o tênis que eu queria. Ainda preciso fazer a procuração pra minha mãe e levar ao banco, mas isso farei no início da próxima semana, então não estou tendo perdas de sono por coisas não resolvidas, elas vem por que eu estou ansiosa e simplesmente ansiosa.

Ansiosa por viajar de avião pela primeira vez, por enfrentar a imigração (que geralmente é tranquila e não barra ninguém que esteja com tudo em ordem, que será meu caso), ansiosa por andar sozinha em uma cidade na qual eu nunca estive antes, ansiosa, ansiosa, ansiosa...desesperada. está muito perto, e ficará cada dia mais perto até que o dia chegue.

Quando eu comecei com esse blog, lá em janeiro, ele servia justamente pra que eu pudesse descarregar minha ansiedade, sem ter que alugar orelhas, mas nem mesmo eu imaginava que a coisa chegaria nesse nível, que eu ficaria tão...assim.

De fato eu acho que isso vai demorar a passar, não vai passar no dia em que eu for embarcar, não vai passar quando eu chegar em Dublin, nem quado arrumar um lugar definitivo, vai ter sempre algo a me deixar ansiosa, mas todos saberão, por que eu não sou bem do tipo que aluga orelhas, pra isso eu tenho um blog.

sábado, 10 de setembro de 2011

Começaram as ansiedades

Por duas noites seguidas acordei a comecei a pensar em Dublin. Na primeira noite foram pensamentos em como será no dia que eu chegar. Depois que passar pela imigração, for pra acomodação, o que eu vou fazer? Não vou dormir as três da tarde, tenho que sair procurar um mercado, comprar algumas coisas pra comer a noite e no dia seguinte de manhã, por que eu não funciono sem café da manhã, mas também tenho que comprar mais um casaco, pelo menos um no primeiro dia, por que o que estou levando é mais de inverno do que de outono. Esses pensamento me invadem as 3 da manhã, não poderia ser na minha hora de almoço?

Na noite seguinte foram pensamentos sobre as despesas no primeiro mês e essas despesas são as mais pesadas. Quando se aluga casa ou quarto é preciso pagar o aluguel e mais um valor de depósito, que muitas vezes é no mesmo valor do aluguel, pode ser maior, se eu estiver alugando a vaga de alguém e na época o depósito pago era maior que o valor atual do aluguel, então o valor do depósito é maior que o valor do aluguel. Aff, redundante. Tem as despesas com roupas adequadas ao clima e roupa de cama, GNB e carteirinha de estudante, e a comida né. Mas eu já sei em média quanto o pessoal gasta no primeiro mês, já me planejei pra isso, e mesmo assim perco o sono com essas coisas.

domingo, 4 de setembro de 2011

Play it again

Agora que a viagem se aproxima assustadoramente (como vocês podem ver no contador aí ao lado) mais e mais pessoas ficam sabendo que eu estou indo. Não que antes fosse algum segredo, mas agora que vem caindo a ficha de que vou ficar uma ano sem ver todas as pessoas que eu conheço, eu confesso que estou espalhando que vou viajar.

A maioria das pessoas pergunta as mesmas coisas. E eu dou as mesmas respostas.
Pessoa: Você vai sair do seu emprego?
Eu: Sim, vou. Estou indo por conta própria e não pela empresa?

Pessoa: Mas você já tem trabalho lá?
Eu: Ainda não, estou indo com grana pra me manter alguns meses, e lá vou ter que conseguir trabalho?

Pessoa: Mas e se não conseguir?
Eu: Volto pro colo da minha mãe. Mas é bem difícil ver alguém voltar por que não conseguiu trabalho.

Pessoa: Ah tá. Você já tem onde ficar lá? Vai ficar em casa de família?
Eu: Casa de família é muito caro. Vou ficar duas semanas em acomodação estudantil e depois vou tentar encontrar algumas pessoas pra dividir casa. Tipo república.

Pessoa: Ah tá! Eu acho que você não vai querer voltar. Vai arranjar um irlandês, casar e ficar por lá mesmo, só vai voltar pra visitar sua mãe.
Eu: Não é essa a intenção.

Eu não me irrito na conversa como um todo, o que me deixa desconfortável é a parte de arranjar um macho. Por que minha viagem tem que ter como resultado final um casamento? Não é pra isso que eu vou, sim pode acontecer, mas quanta gente que vai e volta sem deixar um "cacho" lá. Eu vou pra estudar, viajar, viver novas experiências, conhecer pessoas incríveis, expandir meu horizontes, se for pra me apaixonar que seja. Mas não é pra isso que eu vou.