segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Viajei: Escócia - Dia 3 - Loch Ness and Highlands

Acordamos as 7 da a manhã, tomamos café rapidinho e corremos pro ponto de partida do bus tour, rumo ao tão famoso Loch Ness (Loch é a palavra em escocês para Lake=Lago). No quentinho do ônibus começamos a percorrer a Escócia, nesses passeios o próprio motorista é o guia e o nosso era cheio das piadinhas, mas ele era bem simpático.

Como o Loch Ness fica a uma razoável distância de Edinburgh a maior parte desse tour em particular é mesmo dentro do ônibus, mas eu não posso dizer que é chato ou que não vale a pena, se você olhar pela janela durante uma viagem pela Escócia vai saber que vale cada centavinho de pounds pagos, o país é cheio de paisagens lindas e uma história forte. Lembram de Coração Valente? Pois é Willian Wallace não é produto de Hollywood, ele existiu e sim, lutou pela liberdade da Escócia. Durante a viagem passamos por alguns campos onde ele travou batalhas e o  guia fala longamente sobre a vida dele, passamos também perto de uma castelo onde a espada dele está preservada, nosso tour não parava lá, mas há um que para. 

Depois que passamos pelo campo onde Wallace travou uma das batalhas o guia colocou no alto falante uma parte do discurso do filme, é muito emocionante e dá muita vontade de ver o filme novamente, e olha que eu assisti uma dúzia de vezes, meu pai adora filme que tenha batalha e esse em particular eu também gosto.

Seguindo viagem passamos por paisagens lindas como eu já disse, fiquei muito impressionada quando passamos por um lago, a água estava extremamente parada e simplesmente fazia um espelho refletindo perfeitamente as montanhas , lindo, coisa que nunca vou esquecer.



Fizemos uma parada em Glencoe, vou falar de novo, lindo. Paisagem que parece cenário de estúdio fotográfico. 


Fomos ao Loch Ness após o almoço e lá haviam duas opções de passeio. A primeira essa visitar as ruínas do Urquhart Castle e de lá seguir em um passeio de barco ou fazer apenas o passeio, eu optei por fazer apenas o passeio de barco.

O barco é fechado e tem aquecimento, então é bem confortável caso esteja muito frio, mas é claro que também há a parte aberta a parte de cima, como é esse o barco que busca as pessoas que ficaram no castelo tirei várias fotos dele de "dentro" do lago, pra mim foi válido fazer só a parte do barco. Não eu não vi o monstro do Lago Ness :(



Quando saímos do passeio ainda tinham coisas pra ver, mas já era perto das 4 da tarde e ainda estamos na época em que começa e escurecer bem cedo, eu caí no sono, mas a Karol e a Elaine me disseram que passamos por mais lugares interessantes. 



Voltamos pra Edinburgh por volta das 8 da noite, jantamos no próprio pub do hostel e preparamos nossas coisas pra voltar bem cedo no dia seguinte. Na terça 17 aterrissamos em Dublin antes das 9 da manhã, ainda deu pra fazer muita coisa.

Escócia é um lugar que recomendo e que aliás gostaria de voltar pra ver mais coisas, quem sabe num futuro próximo.

domingo, 22 de janeiro de 2012

Viajei: Escocia - Dia 2 - Glasgow


Tecnicamente o dia 2 comecou no dia 1, uma vez que fomos dormir as 3 da manhã. Como queríamos tomar café programei meu despertador para as 9. Resistimos a tentação de continuar na cama e fomos tomar café, logo depois a Alethéa fez check-out e voltou pra Glasgow, como nós ainda tínhamos que comprar o passeio pro terceiro dia decidimos ir mais tarde. Então subimos novamente a Royal Mile rumo ao castelo, estava um domingo de sol e a cidade fica ainda mais bonita.

Paramos várias vezes em lojas de souvenirs, eu acabei não comprando nada por que sou enjoada e não gostei de nada tanto assim.

Compramos o passeio, pedimos pra alguém tirar uma foto nossa com o castelo ensolarado ao fundo e fomos rumo a Bus Station. Como queríamos economizar resolvemos ver qual era o preço do ônibus pra Glasgow, apesar de ser mais barato, levava quase o dobro de tempo do trem, então voltamos pra estação de trem que era bem perto do nosso hostel e fomos comprar nossos tickets pra viagem.

Aqui em Dublin e também em Edinbugh muitas coisas são compradas em auto-atendimento. Na hora de comprar apareceram duas opções de estação em Glasgow, como nós não sabíamos quem era e eu não consegui falar com aThéa no celular decidimos ir comprar com a atendente mesmo. Mas nessa hora um funcionário da informação veio nos ajudar, compramos uma passagem de grupo que saia mais barato do que a passagem individual, mas o funcionário não foi muito claro e isso nos deu um prejuizinho na volta de Glasgow.

Corremos pra pegar o trem, entramos, sentamos e quando o maquinista começou a anunciar o trajeto percebemos que estávamos no trem errado, descemos e fomos pedir informação de novo pra um cara que fiscaliza a plataforma, então entramos no trem certo, mas esse sairia só em 20 minutos.

No caminho vimos muitos campos bem branquinhos, ficamos em duvida se era uma geada forte ou uma neve fraca, mas a certeza era que estava bem frio lá fora.

Chegamos em Glasgow e não tínhamos pesquisado nada pois já tínhamos uma guia né, mas nossa guia mora longe e então saímos andado. Achamos uma McDonalds e fomos comer. Mulher sentada, no quentinho e de barriga cheia, ficamos lá por um bom tempo até que a Théa chegou.

Andamos um pouco ali pela região central, como era domingo e já estava tarde não deu pra fazer muita coisa. Glasgow tem uma rua que pode ser comparada a Grafton Street aqui de Dublin, mas é claro, é bem maior, nessa rua vimos uma banda que além de homens com saia tocando gaita de fole ainda tocavam uns tambores, ficava um som bem medieval, eu fiz um vídeo no celular mas ficou muito ruim, nem vou publicar.
Fomos até um pub que fica num sub-solo, as meninas comeram pizza, muito boa por sinal, massa bem fininha. 



Depois disso já era hora de voltarmos para Edinburgh, eu pelo menos estava bem cansada por causa do dia anterior e no dia seguinte teríamos que acorda de cedo de novo. Fomos até a estação e dali 15 minutos teria um trem pra Edinburgh, entramos sentamos, e depois de uns 5 minutos de viagem apareceu um fiscal conferindo as passagens, como eu fiquei com os nossos bilhetes tirei o bolso e mostrei. Foi aí que a falta de explicação do cara que nos ajudou a comprar a passagem nos deu prejuízo.

Acontece que normalmente quando compramos passagens com return (ida e volta)  apenas um bilhete é emitido, mas nesse caso foram emitidos dois, nós não reparamos que um era “From Edinburgh To Glasgow” e o outro “From Glasgow To Edinburgh”, então na ida, quando chegamos em Glasgow entregamos o bilhete errado pra fiscal que libera a saída da plataforma, na ida também não teve fiscal, senão teríamos percebido. Então na hora que entregamos o bilhete o fiscal ele viu que era o bilhete errado, ou seja não era o que ele queria e como não tínhamos o outro tivemos que pagar passagem de novo, no fim gastamos só 2 libras a mais do que se tivéssemos comprado passagem individual e não de grupo, mas dá uma revoltazinha pensar que não prestamos atenção e que as pessoas que deveriam explicar e fiscalizar também não fizeram suas partes.

O fim da nossa viagem foi bem silencioso, estávamos cansadas e essa despesa extra injusta murxou a nossa bola.
Eu não estava com fome então fui direto tomar banho e dormir, as meninas ainda foram comer já que nosso hostel tinha um gastropub.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Viajei: Escócia - Dia 1 - Edinburgh

Sim, eu viajei de novo, na verdade a viagem pra Belfast foi menos planejada do que esta.

Vamos começar do começo, como eu sei que não possuo o poder da síntese resolvi dividir os três dias da viagem em três postas, assim eu conto tudo o que lembrar sobre cada dia.

Eu, Elaine e Karol saímos de Dublin na madrugada manhã do dia 14, em menos de 1 hora de voo aterrissamos em terras escocesas, a Elaine que já viajou metade da Europa já havia pesquisado sobre o Airlink, ônibus que liga o aeroporto de Edinburgh ao centro da cidade, e meus flatmates me deram a dica de comprar o ticket com return (ida e volta). Por volta das 8 da manhã estávamos no nosso hostel que ficava estrategicamente próximo ao ponto final do Airlink, demos muita sorte por que foi puro acaso.

Como o chek-in só ocorre a partir das 3 da tarde tivemos que alugar armários pra deixar nossas micro malas, mas a atendente nos deixou a vontade para tomarmos o café da manhã lá. 

Enchemos nossas pancinhas e mais uma vez seguindo as dicas dos meus flatmates fomos fazer o free tour. As palavras "FREE" e "TOUR" combinadas chamam a atenção de qualquer intercambista, no hostel também haviam alguns panfletos sobre o mesmo, como não era longe de onde estávamos e ainda tínhamos algum tempo, fomos dar voltinhas ali por perto até a hora do tour começar. A cidade é linda, é só o que consigo dizer, linda, linda, linda. Pra quem como eu veio direto do Brasil pra Dublin, andar pela Royal Mile faz você se sentir realmente na Europa.



Perto das 11h fomos para o ponto de partida do free tour, recebemos um "ticket" com uma numeração que na verdade só servia pra poder separar os grupos com seus respectivos guias. Tinha um guia especial pra quem fala espanhol, mas como somos brasileñas, fomos com o guia que falava inglês mesmo. 

Nosso guia era um inglês chamado Mark que mora na Escócia há alguns anos. O tour é muito interessante, mas vá se seu inglês já estiver treinado, por que o Mark pelo menos falava bem rápido, eu como fã de comédias que só assiste coisinhas em inglês consegui acompanhar, mas só se estivesse prestando atenção, se fosse ficar tirando foto não entenderia nada. Além disso tem as piadinhas, as vezes você pega as vezes não. Repetindo o tour é muito interessante, vale a pena, dá pra conhecer várias coisas relevantes da história da cidade e do país, e é free. Ao final do tour fomos informados sobre o Ghost Tour (visita noturna a cemitérios) e o Pub Crawl (visita noturna a pubs). Lógico que escolhemos o Ghos... Pub Crawl, a intenção era diversão. Fomos a um pub onde os participantes do free tour tem descontos nas refeições e compramos nossos tickets. A essa hora Alethéa, que mora em Glasgow já estava vagando em Dublin a nossa procura. 

Harry Potter ganhou vida ali, naquele pub verde. Que emoção!

Você vai andando pela cidade e de repente, um castelo.


Nós e o Edinburgh Castle os fundo.

Nos encontramos com a Théa e ela nos levou até perto do castelo de Edinburgh, como ela mora na Escócia há alguns meses e já visitou o castelo não foi de novo né. Então nos separamos por algumas horas e nós três fomos fazer a visita. Pagamos nossa entrada e saímos desbravando a construção. Vimos o máximo que foi possível, mas como tínhamos acordado de madrugada e estávamos andando há horas, o frio e a fome começaram a incomodar, andamos mais um pouco e encerramos nossa visita perto das 5 da tarde. Liguei pra Théa e fomos matar as lombrigas em um Subway ali por perto.

A Théa muito distraída não viu que eu havia enviado o site do hostel onde ficaríamos e tinha decidido ir embora pra Glasgow no mesmo dia, é claro que fizemos ela mudar de ideia. Então ela ficou no hostel conosco. Nos arrumamos e fomos ao ponto de encontro do Pub Crawl. A promessa era que entraríamos em 5 pubs e um night club sem pagar entrada e que em cada um do lugares teríamos uma bebida free. É claro que as inocentes acharam que voltariam pro hostel embriagadas, mas não né. Tivemos sim bebidas grátis, mas em alguns pubs tínhamos que comprar algumas bebida pra ganhar a outra grátis, além dos shots de "groselha" e "listerine", mas valeu a pena, como estávamos na cidade por pouco tempo, tivemos a oportunidade de ir em vários lugares que talvez não fossemos.

Comecinho do Pub Crawl

Na última parada, tinha uma banda tocando ao vivo, a banda começou depois que já estávamos lá, e como entramos logo, ficamos bem perto do palco. O problema foi que um imbecil resolveu que só por que éramos estrangeiras ele podia tirar vantagem, esse babaca passou a mão na Théa 3 vezes e ainda tentou negar, sendo que eu e a Elaine vimos cada uma uma vez. No fim quando decidimos ir embora chagamos a conclusão que ele deve ser o tipo de pessoa que tem pinto pequeno sóbrio não tem coragem de chegar em mulher nenhuma e bêbado só faz cagada. O pior foi que depois ele veio estender a mão pra gente, e um amigo dele falava, "dá a mão pra ele, ele é inglês". Foda-se né.

O balanço do primeiro dia foi positivo. Passei apenas 24 horas acordada.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Três meses

Então minha gente, já faz três meses que aterrissei em terras celtas. 
Os acontecimentos mais relevantes sempre envolvem pessoas, essas pessoas que Dublin e só Dublin poderia ter colocado no meu caminho. Quem diria que eu faria amigos com tanta facilidade? Que iria gostar de sair a noite e de beber cerveja? Que iria dormir numa viagem de avião tão bem quanto durmo numa viagem de ônibus? Quem diria que eu viria?

Eu diria, e vim, e há três meses. 

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Viajei : Irlanda do Norte

O papo que sempre ouvi é que em Dublin não acontecia nada de interessante no ano novo, eu bem que tentei organizar alguma viagem pra Edinburgh ou London, mas as pessoas que chamei na época não queriam decidir nada com tanta antecedência e depois os preços ficaram muito altos. Eis que na metade de dezembro a Karol comentou que um amigo dela queria ir pra Belfast, por que todo mundo imaginava que em Dublin não teria nada. Então nós decidimos, vamos pra Belfast no réveillon. Fomos eu, Karol, Elaine, Luiz, Marina e Althéa.  A Théa não mora em Dublin, nem na Irlanda, ela mora em Glasgow na Escócia, nós costumávamos conversar via  skype lá em 2010 quando eu entrei no e-dublin groups, ela teve a oportunidade de ir estudar inglês na Escócia e foi, quando eu comentei no grupo que estava indo pra Belfast ela perguntou se poderia ir também, como eu acredito no "quanto mais, melhor" fomos.

Chegamos na manhã do dia 30/12, escolhemos um hostel não tão central mas de fácil acesso e muito, muito bom, nós aqui de Dublin fomos de ônibus, só 2 horas e meia de viagem no quentinho do ônibus, muito fácil.  Apesar de politicamente a Irlanda do Norte ser outro país não passamos por barreira alfandegária, ou seja nada de carimbo no passaporte.

Depois de fazermos o check in no hostel fomos andar pela cidade, comemos e fizemos um bus tour, foi uma boa escolha pois estava chovendo demais, uma chuva um pouco mais forte que a garoa paulistana, mas que molha de um jeito extremamente chato. Passamos por pontos principais da cidade e depois de 1 hora e meia acabou-se o tour. Pagamos barato pelo menos. Depois disso tomamos um chocolate quente e andamos mais um pouco pela cidade. Passamos num mercado e nos abastecemos de comida. Como estávamos num grupo grande acabamos saindo tarde do hostel pra ir a um pub, e como a senhorita Alethéa tinha um desafio de 19 doses de tequila a cumprir acabamos indo na direção errada e andamos demais até acharmos o pub que no indicaram. O pub parece com a Dicey's aqui de Dublin. As pessoas costumam reclamar que a noite aqui em Dublin termina cedo, pois bem em Belfast termina ainda mais cedo. A 1 da manhã pararam de tocar musica e 20 minutos depois pediram pra gente sair. Isso mesmo, expulsos. Fazer o que voltamos pro hostel.

No sábado 31/12 fizemos um passeio incrível até o norte da Irlanda do Norte. Visitamos Carrick-a-Rede Rope Bridge e Giant's Causeway. Esses são os dois principais pontos do passeio, mas passamos por outros lugares também, a costa é linda e dá pra ver a Escócia no horizonte. Estava um dia nublado mas sem chuva, mesmo assim foi lindo, imagino em uma dia de sol. A parte mais emocionante do passeio sem dúvida alguma é atravessar a ponte suspensa. Dá uma emoção, uma adrenalina que só indo lá pra saber.
O mar láááá em baixo


Coração na boca, mas a foto é importante

Meus parceiros de viagem: Elaine, Karol, Théa, Luiz e Marina



Quando estávamos no fim do passeio, já na Giant's Causeway começou a chover bastante, ensopados voltamos pro ônibus, fizemos mais um parada para fotos nas ruínas de uma castelo, mas como nessa época do ano escurece muito cedo, mesmo sendo apenas 4 da tarde já estava bem escuro, e como eu estava com muito frio não saí do ônibus pra fotografar.

Voltamos a Belfast, nos abastecemos no mercado e fomos ao hostel. Rolou um esquenta por lá, Luiz, Marina e Théa saíram pra uma festa de ano novo em lugares exóticos, Luiz e Théa foram parar numa festa do Zimbabwe com open bar de wisky, Marina foi pra uma festa que até agora não sei qual.

Vimos os fogos de Londres, Edinburgh e de alguns outros países, o hostel estava super sossegado então fomos dormir, uns 20 minutos depois que estávamos na cama começou a chegar gente, provavelmente expulsos dos pubs e rolou festa até o amanhecer, mas eu não participei.

No primeiro dia do ano não acordamos muito tarde pois tínhamos que fazer o check-out as 11h, deixamos nossas coisas no hostel e fomos andar mais um pouco pela cidade. Comemos então Marina e Théa voltaram pro hsotel, Marina não queria correr o risco de tomar chuva de novo e Théa tinha um voo pra pegar, então eu, Luiz, Elaine e Karol fomos rumo aos muros de Belfast, muros esses que foram construídos pra separar protestantes e católicos. Andamos muito mas achamos um dos muros verdadeiros, com uma longa extensão. Na volta começou a chover muito forte então paramos embaixo do toldo de um pub, um dos cliente saiu pra fumar e aproveitamos pra perguntar a ele se a divisão ainda persistia. Sim, no lado em que estávamos só moravam católicos e no outro apenas protestantes.

A chuva passou, voltamos ao hostel, voltamos a Dublin. Nada como estar em casa.