domingo, 26 de fevereiro de 2012

Trabalho Voluntário

Como já disse aqui algumas vezes demorei um bom tempo pra conseguir vir pra Dublin, nesse tempo fiz várias pesquisas e li muita gente dizendo que fazer trabalho voluntário seria um ótima opção, principalmente nos primeiros meses quando você ainda tem aquele dinheiro que trouxe do Brasil e ainda não tem as benditas referencias que todos os empregadores aqui pedem, além de ser bom pra treinar o inglês.

Logo nas primeiras semanas aqui me inscrevi no centro de voluntários, fiz a inscrição pela internet mesmo. Me candidatei a algumas vagas, só recebi um retorno, preenchi um formulário, enviei de volta mas nunca fui chamada pra vaga.

O tempo passou e eu desencanei, em Dezembro, nas férias da escola a Elaine foi a uma instituição entregar u formulário pra ser voluntária lá, eu e a Karol estávamos juntas e resolvemos preencher o formulário também. Logo na primeira semana de Janeiro nos ligaram e foi quando eu passei a ser voluntária no Charity Shop da Irish Deaf Society.

Pelo que eu entendo essa é a principal fonte de renda da associação. O meu trabalho é simples, geralmente eu vou duas vezes por semana no período da tarde. O horário deveria ser das 13h as 17h, mas como eu saio da escola quase uma da tarde sempre começo as 14h. A loja é pequena mas tem muita coisa, e muita gente compra todos os dias, quando temos muitas doações fico na parte dos fundo ajudando a separar e colocar preços, em dias mais tranquilos fico mesmo na parte da loja, ajudando a manter organizada e as vezes também ajudo no caixa.

Eu acho ótimo, principalmente em épocas que estou mais emotiva, ir pra lá me tira de casa e eu não fico só pensando em coisas negativas, além de ajudar no inglês. As vezes os outros voluntários são mais falantes e eu passo a tarde conversando, e mesmo que não sejam, o rádio está sempre ligado e eu sempre fico prestando atenção nas conversas. De qualquer maneira treino meu inglês um pouquinho mais.

A dica é válida pra todos, assim que chegar em Dublin procure instituições, igrejas e até mesmo o centro de voluntários, sempre tem lugares precisando. Vai ser bom pra você e pra sociedade onde você escolheu viver.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Os espinhos

A vida em Dublin é bela, mas espeta.

Eu digo e repito pra quem quiser ouvir, e quantas vezes tiver que repetir: AMO minha vida em Dublin. Acordar "cedo" e ir pra aula, passar 3 horas estudando inglês, pra alguns pode parecer um sacrifício, principalmente quando se faz isso de segunda a sexta, mas pra mim é um prazer. Eu realmente gosto das minhas aulas e me vejo aprendendo e evoluindo diariamente.

Além disse tem as pessoas, a grande maioria dos meu amigos em Dubin são brasileiros, algumas pessoas acham que isso atrapalha, pra mim não atrapalha não pelo contrário, ajuda. Só brasileiro faz festa como brasileiro, a gente sabe se divertir com música tosca e é ótimo se reunir pra comer arroz, feijão salada de batata, carne e de sobremesa pudim de leite. E isso é só um exemplo das festinhas em casa que eu já fui aqui, a gente se diverte sem esforço e eu acho isso ótimo. Tenho vários grupos de amigos e só fico em casa quando e se quero.

A única coisa que por enquanto tira o brilho da minha vida aqui é a falta de um emprego, por que trabalho eu tenho, faço trabalho voluntário 2 vezes por semana, mas mesmo tendo passado meses e meses economizando no Brasil, meu dinheiro não é suficiente pra ficar aqui durante um ano sem emprego. E sim, eu tenho procurado, e  há um bom tempo, mas até agora nada. Não trabalhar não é um problema, o problema e não poder ficar aqui mais tempo caso eu não consiga nada. O problema é ter que abandonar a vida que eu amo, os amigos gente boníssima e voltar com o rabinho entre as pernas pra casa da minha mãe.

Eu sei que conseguir um emprego não é tarefa impossível, a Ana consegui em um mês a Elaine e dois, eu já estou aqui a quase 4 meses e nada. Mando currículo, entrego currículo, aviso aos amigos, sigo dicas e nada. Isso além de ser frustrante dá uma sensação de incapacidade terrível, eu não vim pra cá pra ficar sem trabalhar e muito menos fico escolhendo trabalho, ainda assim não consigo nada, o problema só pode ser comigo. 

Eu faço planos, tenho planos que envolver poder continuar na Irlanda, e planos que envolvem TER que voltar para o Brasil. Eu quero ficar aqui, me esforço diariamente pra continuar, mas se não der, não deu

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Eu no "Vida na Irlanda"



Isso mesmo gente amiga, estou no Vida na Irlanda. Vou ser paciente e entender que algumas pessoas não sabem do blog. Pois bem o Vida na Irlanda ao lado do E-Dublin são os dois blogs de leitura obrigatória pra quem tem planos de vir ou está na Irlanda.

E por que cargas d'água que apareci lá? Virei repórter? Não minha gente, eu conversei com a Tarsila sobre a escola onde estudo. 

Quem quiser ler a entrevista clique aqui. Deixe comentário, lá e cá pra eu saber o que acharam.

Mas como você conheceu a Tarsila, você me pergunta. Pois bem, eu e ela somos amigas da talentosa Giovana, no início de Janeiro a Gi fez aniversário e nós duas estávamos na festinha, como tinha pouca gente deu pra conversar, trocamos telefones e alguns dias depois ela me ligou e na mesma semana nos encontramos no charmoso Foam Cafe para conversar. Depois fomo ali pertinho tirar a foto com o Rio Liffey ao fundo.

Eu fiquei bem feliz com o resultado da entrevista.