terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Antes de Partir: Enviando coisas pelo correio

Eu descobri que planejar uma viagem "grande" antes de mudar de vez pra outro país não é lá coisa de gente sã. O problema é que descobri isso um pouco tarde. E se você levar em consideração que não rolaram folgas do trabalho antes da tal viagem chegará a conclusão que é coisa de doido mesmo.

Mas foi o que eu fiz, planejei viajem e mudança praticamente junto. Uma coisa que eu sabia é que precisaria de mais uma mala além da minha grande, por que mesmo achando que não tinha comprado quase nada, quando você começa a tirar as coisas do guarda-roupa e colocar nas malas vê que tem coisa demais. E olha que eu doei muita coisa e joguei muita coisa, ainda assim, minha mala era pequena pra tudo o que eu tinha.

Antes de viajar fui me encontrar com a Gigi que me disse que uma amiga dela tinha ido embora umas semanas antes e tinha mandado uma caixa de 20 kg pelo correi, o que ficou €80.00. Pra poder enviar uma segunda mala eu teria que pagar €150.00 além de ter que comprar uma mala nova. Então não tive dúvidas do que fazer. 

No meu quarto tinham algumas caixas deixadas pela menina que morava lá antes, como ficavam em um lugar que não incomodava eu nunca tirei elas de lá. vejam bem, as caixas estavam desdobradas, não eram caixas montadas dentro do meu quarto. Daí cheguei em casa e comecei a colocar coisas na caixa, mas não deu tempo de arrumar tudo antes de viajar. Então quando voltei da viajem tive que terminar isso, comprei alguns vacuum bags e coloquei livros, casacos e outras coisas que achava mais pesadas na caixa, e com aquele medo de ficar pesada demais e ter que abrir a caixa no correio e tirar coisa.

No fim a caixa ficou com quase 17 kg, tive que chamar um táxi pra ir pro correio, por que eu peso menos de 50 kg e não ia rolar carregar um pouco menos de 1/3 do meu peso, paguei €6.00 pelo táxi e €72.00 pela caixa que levou 12 dias pra chegar em casa, tudo certinho.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Antes de partir: Desbloquear celular - Operadora 3 (Three)

Como eu disse nesse post do ano passado, minha operadora na Irlanda era a Three. Como além do chip (SIM card)  eu também comprei o aparelho com eles, o meu celular era bloqueado.

Quando viajei pro Brasil em Dezembro de 2012  nem me incomodei em desbloquear, por que estava com um saldo gigante e seria a única maneira de gastar os créditos, já que na Irlanda quase não gastava.

Entrei no site da 3 pra ver como desbloquear o celular e sendo pré-pago (pay as you go) só precisava ter feitos recargas (top ups)  de € 130.00 desde que eu comprei o celular. Como eu fazia recargas mensais de €20.00 todo mês, eu já tinha recarregado bem mais que isso.

No próprio website da 3 pude fazer um pedido de desbloqueio, dando o motivo e enviando o número do IMEI do aparelho e o valor da última recarga. Depois de 4 dias recebi um e-mail com instruções de como desbloquear e o código.

Fiz o passo a passo que era simplesmente colocar um chip de outra operadora e colocar o código enviado, e plin, celular desbloqueado.

Então galera, nada de ir correndo no xing ling desbloquear o aparelho antes de conferir no site e/ou loja da operadora se tem como fazer, afinal, é de graça.


domingo, 29 de dezembro de 2013

Viajando Sozinha: Paris

Quando for pra Paris não faça como esse moço, pesquise. Eu pesquisei e ainda não fiz tudo que gostaria.

Paris é cidade imensa, eu pensei em ir pra lá antes, por menos tempo, perguntei pra alguns amigos e muitos me disseram que eu iria precisar de 6 dias inteiros pra consegui ver bastante coisa. O fato é: eu não sei se um dia conseguirei voltar, não sei o roteiro da minha vida, e eu queria visitar Paris com tempo pra ver tudo o que eu queria, mesmo tendo ficado 5 dias por lá, ainda foi pouco, talvez tenha feito de propósito pra ter desculpas pra voltar, mas Paris é Paris, e não precisa de desculpas pra voltar.

Cheguei em Paris pelo ar, voando de Budapeste, a passagem de avião era bem mais barata que a de trem. Ainda em Budapeste consegui achar algumas pessoas do Couch Surfing que iriam se encontrar à noite. Era uma sexta-feira. O encontro foi bem bacana, infelizmente não mantive contato com as pessoas pra sair nos outros dias em que estava por lá, mas eram todas pessoas que moravam lá e eu de turista.

Fiquei hospedada no melhor bairro de Paris (segundo todas as pessoas que moram em Paris que conheci no período em que estive lá) Montmartre, o hostel era ótimo.

Como saí na sexta à noite acabei acordando "tarde"no sábado. Entre aspas por que quando viajo gosto de acordar por volta das 8 da manhã e antes das 10 estar na rua, nesse dia acordei quase 9:30 e tive que correr pra conseguir pegar o café da manhã. Fui ogo visitar a Sacre Coeur, depois fui pro free tour.

O free tour, mesmo sendo com o Sandesman não foi dos melhores, não sei se foi a guia ou o excesso de "produtos" que ela oferecia, mas vale a pena fazer, pra se localizar um pouquinho melhor e receber algumas boas dicas.

Como fiz o tour à tarde depois que terminou fui ver a Torre Eiffel e fiquei por lá pra ver a torre iluminada.

Nos dias seguintes visitei o Louvre, subi no segundo andar da torre (o topo estava fechado por causa do vendo na hora que fui), fiz passeio de barco pelo rio Senna, fiz um tour pelo bairro onde estava (super recomendo) e fui para Versailles, andei, ande, tirei fotos, comi no café da Amelie Poulain.

Paris, eu voltarei.











sábado, 21 de dezembro de 2013

Viajando Sozinha: Budapeste - Budapest

Cheguei em Budapeste no meio da tarde. Obviamente me perdi pra chegar no hostel, mas dessa vez posso culpar a sinalização do metrô que "me mandou" sair na rua errada. eventualmente eu achei o hostel, deixei minhas coisas lá e acabei indo andar com uma americana que estava no mesmo quarto que eu. Como ela ia pra um desses spas de águas termais nos separamos, eu fiquei sozinha e fui fotografar o anoitecer na cidade. Ai que cidade linda.

No dia seguinte fiz um free tour, que foi bom, mas complicado. Eu normalmente faço os free tours do Sandesmans New Europe, todos os guias desses tours tem inglês (ou espanhol)  como primeira língua, então é muito fácil de entender, caso você entenda bem o inglês falado, mesmo que eles falem rápido. Mas o Sandesmans ainda não chegou em Budapeste e o free tour é com guias Húngaros que até falam bem inglês, mas o sotaque atrapalha sim, não posso negar. Mas ainda assim foi interessante.

Quando ainda estava em Viena encontrei com um brasileiro no hostel que disse que a noite em Budapeste é excelente, mas como eu não fui conferir não posso dizer se é verdade ou mentira, mas eu já ouvi outras pessoas dizerem o mesmo, então se você for mais esperto do que eu, vá conferir.

Eu não fui em nenhuma água termal , até levei biquíni pra viagem com a intenção de ir, mas não tive vontade. Me arrependi de não ter feito passeio de barco no rio Danúbio. Quem sabe na próxima.

A cidade é linda, cheia de história, interessante. Enfim, vale ser visitada.









sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Viajando Sozinha: Viena - Vienna

Depois dos dias incríveis em Berlim e Praga chegou a vez de ir pra Viena, e devo confessar que não estava super animada pra ir pra lá não. Principalmente por que alguns amigos me disseram que era uma cidade meio meh, mais pra gente mais velha etc. Mas é claro que eu queria conferir com meus próprios olhos, e lá fui eu.

Foi a cidade na qual eu cheguei mais tarde e passei menos tempo. Na verdade eu não fiz muita coisa mesmo, muito por falta de organização e também por que eu estava meio que me luto por ter saído de Praga. 

Cheguei à noite em Viena, e já era bem tarde, então só tomei banho e fui pra cama, no dia seguinte depois do café da manhã fui visitar o Palácio, passei quase 3 horas andando pelos jardins e fotografando. Decidi não entrar no palácio por que eu imaginei que ia entrar em Versalhes, daí resolvi sair pra andar pela cidade, tentar entrar em alguns museus, mas me bateu um bode e eu voltei pro hostel.

Como o hostel ficava enfrente a um mercado de rua, andei pelo mercado, comi e fui e o bode voltou e eu voltei pro hostel. Eu sei que não é algo que alguém queira ler, que a fulana desperdiçou um dia em Viena fazendo nada, mas foi o que rolou. Eu achei a cidade bonita, mas comparada com as duas anteriores não me impressionou. Eu deveria ter ido em alguma ópera, mas não fui. Saí à noite pra fotografar alguns outros pontos turísticos. No dia seguinte meu ônibus pra Budapeste partia às 11 da manhã, então não fiz nada além de rearrumar a mochila e tomar café.

Não me peçam dicas sobre Viena, não vi muita coisa, talvez um dia eu volte. Talvez.






quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Viajando Sozinha: Praga - Prague - Praha

Definitivamente, a cidade que mais amo no mundo. Vejam bem. Coloquei Praga no meu roteiro por que todo mundo que vai pro leste europeu vai pra Praga, eu conheci várias pessoas que falavam muito bem da cidade, mas eu não sabia que morreria de amores pela cidade assim que chegasse lá.

Fui de Berlin pra Praga de ônibus, depois de quase 5 horas de viagem, quando chegamos na cidade meu coração disparou olhando pela janela. Reforço, eu não imaginava que iria me sentir assim.

Peguei metrô e descobri que sou boa nisso, mas me tornei péssima em seguir instruções a respeito de ruas, passei uns 30 minutos andando pra lá e pra cá sem conseguir achar o hostel, até que milagrosamente (por que eu não sabia pra onde estava indo) consegui voltar pra saída do metrô e segui as instruções passo a passo e consegui chegar no hostel, e perceber que tinha deixado minha jaqueta nova no ônibus. Mas eu decidi não me desesperar. Melhor coisa que fiz na vida.

No dia seguinte saí pra buscar a jaqueta, que estava lá e depois fiz vários tours, começando com o free, depois o do castelo e à noite o da cerveja. Esse com certeza foi o melhor dia da minha viagem, conheci tanta gente legal, me apaixonei ainda mais pela cidade, levei banhos de história. E se a primeira vista meu amor já foi grande, depois de um dia incrível, não tinha como meu amor não aumentar.

Como eu fiz muito mais coisa do que planejava em um único dia tive os outros pra andar um pouco mais pela cidade, ir pra longe da área central e borbulhante. Subir ladeira, entrar em lojinha, comer com calma.

Amo Praga e quero voltar pra lá, mas pra morar.








quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Viajando Sozinha: Berlim - Berlin

Pois é, quase dois meses depois vamos aos fatos.

Berlin é linda, linda de um jeito que vai além do explicável. A cidade é bem grande, mas muito bem servida pelo transporte público, não faça como eu que fiquei andando pra lá e pra cá a pé, dá pra ir a pé, mas dá pra ir de metrô ou "bonde" ou ônibus.

Berlin tem mais museus do que é possível visitar em apenas 4 dias, é muita coisa mesmo, se você é como eu e gosta de ir a museus com calma, escolha em quais você quer ir quando estiver preparando o seu roteiro, não é fácil escolher quando já se está na cidade. Os museus não são gratuitos, mas os preços são dignos e existe a possibilidade de comprar passes que dão direito à entrada gratuita em muitos deles com direito a audio guide. É um investimento que vale a pena.

Faça o free tour, em qualquer cidade que você vá faça o free tour, em Berlin você vai ser levado ao bunker onde Hitler morreu, ao muro de Berlin, e outros pontos importantes da história da capital Alemã.

Não fui pra balada, o que muitos vão considerar um sacrilégio, mas eu não sou de baladas, se estivesse acompanhada teria ido pra fazer companhia pras outras pessoas, mas sozinha jamais.

Berlin tem que ser apreciada ao poucos, sem pressa. Eu voltarei pra Berlin, pra rever o que já vi e ver o que não vi. Já sei que vale a pena.