terça-feira, 15 de março de 2016

Mulheres que viajam sozinhas

Ao longo dos anos em que tenho o blog, por várias vezes recebi comentários ou e-mail de mulheres que perguntavam como é que eu tinha coragem de viajar sozinha. Na verdade nunca achei que precisasse ter coragem, só vontade e um destino e foi assim que sempre fiz.

Mas eu entendo que pra muita gente decidir botar o pé na estrada sem uma companhia é um desafio, por isso resolvi me sentar com algumas mulheres de diferentes idades e diferentes nacionalidades e fazer algumas perguntas sobre esse assunto muitas vezes polêmico: Ser mulher e viajar sozinha.

Confira a baixo o resultado dessas conversas.

Não tem tempo pra leitura? Role para o final do post e assista ao vídeo, ou clique aqui.

Jana é uma jovem alemã de 23 anos, que conviveu com o sonho de viajar pelo Brasil desde a terceira série. Agora, graças ao final de um dos períodos da faculdade  e devido ao fato dos amigos ainda estarem estudando, ela pode realizar o sonho da maneira como gostaria.

Essa é a primeira viagem que ela faz sozinha, apesar de ter passado um ano nos Estados Unidos quando era adolescente, a viagem não foi organizada por ela e ela teve suporte, então essa é sua primeira aventura realmente solo.

Para Jana o fato de viajar sozinha a deixa mais aberta para conhecer pessoas e fazer conexões com outros viajantes "Se você está com alguém já tem um plano pro dia, se você está sozinha se torna muito mais flexível".

Segundo ela a parte mais difícil da viagem tem sido a comunicação, por não falar Espanhol ou Português chegou a passar três dias um tanto isolada por estar em um lugar onde ninguém falava inglês.

Quando perguntada se alguma vez se sente solitária por estar viajando sozinha a resposta é enfática "Não, sempre tem tantos outros viajantes ao redor, mesmo nos dias que eu estou sozinha, por exemplo, fui fazer uma caminhada e encontrei algumas pessoas no caminho e seguimos juntos, então não, é bem difícil me sentir sozinha".

A única situação difícil pela qual passou até agora, foi quando estava em uma área não muito amigável no Rio de Janeiro e quase foi roubada, nesse momento ela diz que teria sido muito bom ter alguém com ela.


Alicia é uma Londrina de 27 anos que já viajou sozinha por 8 países.

Alicia diz que prefere viajar sozinha por ter mais liberdade de fazer o que quiser "Quando você está viajando com outra pessoa precisa seguir os planos dele, e eu gosto de fazer o que quiser, não preciso esperar por ninguém. Pra mim é bem mais fácil viajar sozinha"

Para Alicia uma das melhores coisas sobre viajar sozinha é a paixão que ela tem por conhecer novas culturas,  novos países mas especialmente por provar novas comidas. O fato de não ser responsável por mais ninguém além de si mesma também é um fator.

A possibilidade de ficar sozinha no quarto lendo o tempo todo ou em um hostel com poucas pessoas ou se você passou por uma situação que gostaria de ter compartilhado com alguém são apontados por Alicia com a pior parte de viajar sozinha, mas ela gosta de ter algum tempo pra si mesma.

Sentir-se solitária é algo que pode acontecer mas Alicia sabe como lidar com a situação "Se eu me sinto sozinha dou um telefonema pra minha mãe ou converso com meus amigos pelo Whatsapp ou Facebook, isso acontece mas é fácil de superar"

Alicia passou por uma situação em que desejou estar acompanhada quando estava na malásia, passou por um dia com dores de cabeça e no pescoço sem saber exatamente o que fazer, mas simplesmente passou o dia dormindo e e na manhã seguinte quando acordou estava se sentindo melhor "Foi uma situação difícil, mas foi apenas um dia".

O recado que ela deixa pra quem está pensando em viajar sozinha é de que não há motivos pra se sentir amedrontada pra e que ficar em hostels é uma ótima opção "Sempre há pessoas que fizeram a mesma rota que você e podem te dar conselhos, e pessoas que trabalham em hostels são muito mais prestativas do que as que trabalham em hotéis".


Fernanda é uma jovem gaúcha de 23 anos que começou a viajar sozinha há apenas alguns meses atrás.

Sua primeira experiência começou quando estava em uma praia com amigos e quando eles resolveram partir ela decidiu ficar por já ter feito amizades com outras pessoas e isso a impulsionou fazer outra viagem sozinha, dessa vez para São Paulo.

Para Fernanda a melhor parte de viajar sozinha é a liberdade em se fazer o que que se tem vontade de fazer, seja sair e conhecer lugares ou ficar onde está e ter longas conversas com outras pessoas.

Para ela a parte negativa de viajar sem companhia é a sensação de insegurança que surge em algumas situações "Fazer as coisas por conta mas tendo o mínimo de cautela"

Quando perguntada se se sente solitária em algum momento ela responde "Sim mas não no sentido negativo, às vezes é bom ficar sozinha pra refletir".

Pra quem está pensando em começar a viajar sozinha o incentivo de Fernanda é começar com viagens pequenas e aos poucos.


Sara é uma espanhola de 30 anos que decidiu viajar sozinha inicialmente por apenas dois meses e já está há oito meses viajando e já passou por 13 países nas Américas Central e do Sul.

Tomar a decisão de viajar sozinha não foi uma tarefa fácil para Sara, sua família não a apoiou inicialmente e apenas uma amiga lhe deu suporte.

Sara decidiu sair viajando por estar em um momento em que se sentia presa em sua própria vida e não estava satisfeita com o trabalho, o plano era passar um mês em Cuba e um mês no México mas a viagem não parou.

Para Sara a melhor parte de viajar sozinha é o fato de ser a responsável por todas as decisões "Você decide a cada momento  o que fazer, muda seus planos, é uma sensação de liberdade incrível".

Em contra partida viajar sozinha também pode ser muito trabalhoso "Você é quem tem que procurar horários, hostels, procurar o que fazer na cidade, está tudo a seu encargo".

Sara diz que se sente solitária algumas vezes durante a viagem, mas isso só começou a acontecer por volta da metade da viagem, mas ainda assim segunda Sara isso é algo que se resolve em conversas online com os amigos.

Sara se considera muito sortuda por sempre ter encontrado pessoas incríveis durante suas viagens e por isso diz que nunca passou por situações em que desejava ter algum conhecido por perto justamente por ter feito uma família viajando.

Para as pessoas que ainda não tem coragem de viajar sozinha Sara se solidariza "É complicado, passei pelo mesmo, pensei em fazê-lo por meses" e a conclusão final é " Comece com viagens pequenas, de uma semana pelo seu país, onde se sente mais confortável. Eu lhes animo pois acredito que essa é uma das melhores experiências da minha vida".



Yessica é uma holandesa de 25 anos que viaja sozinha desde os 18.

Para Yessica a melhor parte de viajar sozinha é a liberdade de conhecer pessoas e fazer conexões "Eu não quero fazer isso pra sempre, mas acho que essa é a idade é época perfeita para fazê-lo".

Yessica não vê muitos lados negativos em viajar sozinha, para ela a única coisa negativa pode ser caso você fique doente e não consiga tomar conta de si mesma "Mas eu sempre tive pessoas que se dispuseram a tomar conta de mim quando eu me senti dessa forma".

Para ela sentir-se só não é algo que acontece "O mais importante é ser um bom amigo de si mesmo, se você é um bom amigo de si mesmo, você nunca está só".

Yessica se considera uma pessoal nada tímida e muito sociável por isso diz nunca ter passado por nenhuma situação em que desejasse companhia de outros "Tem sempre pessoas muito agradáveis por perto se eu sinto necessidade de socializar".

Para quem está pensando em viajar sozinha mas ainda não tem coragem Yessica diz "Todos precisam provar, basicamente tudo pra saber se gostam ou não. Obviamente existem pessoas que não gostam de viajar sozinhas mas você não pode saber se não tentar".



Giulia é uma italiana de 32 anos que começou a viajar sozinha há um ano, já esteve na Grécia, andou pelo Caminho de Santiago e visitou Estados Unidos e Canadá sem companhia e agora está no Brasil e vai viajar pela América do Sul.

Para Giulia viajar sozinha é "Uma ótima maneira de descobrir o mundo e conhecer novas pessoas".

Giulia considera a melhor parte de viajar sozinha o fato de não ter compromissos "Eu posso mudar meus planos quando quiser, apenas seguir o fluxo e isso geralmente funciona muito bem".

A pior parte de viajar sozinha, segundo Giulia, é a questão de segurança "Às vezes você pode se sentir um pouco insegura, eu nunca estive em nenhuma situação mais complicada, mas você precisa apenas ser cuidadosa".

Sobre se sentir sozinha Giulia diz que é algo que pode acontecer "Existem momentos onde você se sente só e triste e com vontade de voltar pra casa, mas isso é parte do jogo que você escolheu jogar, se você passa por essas situações você sai delas mais forte".

Giulia passou por um momento difícil durante a viagem, ela não estava completamente sozinha mas foi um momento em que desejou ter alguém que conhecesse perto de si.

Para quem ainda está juntando coragem pra viajar sozinha a resposta de Giulia é bem direta "Pare de pensar e comece com algo pequeno. Pode parecer assustador a princípio mas é simplesmente porque você ainda não está acostumado, mas isso é algo que todas as pessoas são capazes de fazer. Comece com algo pequeno, tente e você irá amar".


O vídeo tem legendas em Inglês e Português começando aos 38 segundos

Encontrou algum erro, tem alguma dúvida ou sugestão?
escreva para umcertocaminho@gmail.com

Redes Sociais
YouTube
Facebook
Instagram
Twitter

Nenhum comentário:

Postar um comentário